LÉO TENREIRO: “ (...) Mas quem pensou que a luz se apagou ‘eles voltaram’, ‘eles voltaram’, com mais garra e inspiração (...)”
11/02/2019 17:06 em Novidades

“ (...) Mas quem pensou que a luz se apagou ‘eles voltaram’, ‘eles voltaram’, com mais garra e inspiração (...)”

 

10 de fevereiro de 2019, 1º dia de ensaios técnicos – Temporada 2019, Análise.

 

Precisávamos dessa injeção de ânimo! Foram dois anos muito difíceis para as agremiações, uma desvalorização imensurável por parte do atual prefeito em relação a festa, causaram e ainda vem causando consequências e dificuldades às escolas para colocar o seu carnaval na avenida. Mas, como decantava Nelson Sargento: “o samba agoniza, mas não morre”, e a menos de um mês do Carnaval, foi obtido um patrocínio por parte da Light, onde viabilizou a realização dos ensaios técnicos. A notícia trouxe o sorriso no rosto e a esperança no olhar de cada sambista. Oficialmente (pelo menos para nós amantes das Escolas de Samba) pode-se dizer que É CARNAVAL NO RIO DE JANEIRO!

É... Eles voltaram! Os ensaios técnicos retornaram a Sapucaí, neste domingo, com três escolas de samba. Vila Isabel, Mocidade e Tijuca abriram a temporada de ensaios na Marquês de Sapucaí muito bem. Uma noite de elevado nível nas apresentações, que abrilhantou e presenteou o público no Sambódromo. Não houve ensaio ruim ou que decepcionasse! Houve superação e houve, principalmente, a prova de que o samba é resistência e se faz resistente.

Vamos às análises...

A primeira da noite a adentrar a Sapucaí, foi a Unidos de Vila Isabel. Carregada de expectativa pelo público do Carnaval, neste período pré-carnavalesco, a escola de Noel cumpriu muito bem o seu papel, com um canto constante do início ao fim. A azul e branco sustentou o seu samba dentro da avenida de forma satisfatória. Muito compacta e bem ensaiada, a evolução da escola transcorreu normalmente na maior parte do ensaio, com a ressalva de que ficou a impressão de que é possível melhorar a questão de empolgação / vibração ao entoar o samba por parte de algumas alas.Vale destacar o progresso da bateria, que se apresentou muito bem, sustentando muito bem o samba, dando um andamento “mais para frente” que acabou por favorecer o componente a cantar.

Uma única observação fica por conta do samba enredo, que apesar de uma letra bem construída, possui uma melodia que não empolga quem assiste, hoje isso se comprovou, a escola passou bem, cumprindo os quesitos técnicos de forma geral, mas sem empolgar.

Na sequência, a escola da Zona Oeste entrou na avenida com muita força e garra. A Mocidade apresentou um início de ensaio com um canto e evolução avassaladores que aliados ao desempenho perfeito da bateria com suas bossas e paradinhas, conseguiu contagiar, parcialmente, o público que assistia.

Menção, também ao primeiro Casal de Mestre Sala e Porta Bandeira, Cristiane Caldas e Marcinho que mostraram segurança e entrosamento, fazendo uma apresentação muito boa. E à sintonia perfeita entre o samba de 2019 e Wander Pires.

Muito bem compacta, a escola não apresentou problemas ao decorrer de seu ensaio, porém fica a observação quanto ao tamanho da escola, que na comparação imediata com a escola anterior, notou-se que a verde e branca de Padre Miguel apresentou um contingente consideravelmente menor. Além disso foi perceptível uma pequena queda no canto e evolução da escola após a passagem do carro de som, mas que pode ser reparado sem grandes empecilhos até o Carnaval.

“(...) Escute a voz que vem do meu Borel...”

A noite foi encerrada com perfeição! Uns acham lindo, outros criticam o samba da Tijuca, por ser de cunho religioso e ter a estrutura de sua letra semelhante a de uma verdadeira oração, porém as opiniões dividas, hoje, se curvaram tamanha foi a força da apresentação Tijucana. O samba confirmou sua popularidade nas frisas e arquibancadas, com vários trechos sendo cantados pelo público que assistia ao longo de todo o ensaio. Na pista, uma cartase! Um cortejo passava com muita força, expressão e carga emocional, o canto do Borel ecoava! A evolução explodia! E foi assim durante toda a apresentação: constante e intenso.

A comissão de frente trouxe uma coreografia com movimentos fortes e uma encenação marcante, que aparentava retratar a relação do homem e a fome. Na sequência, o casal formado para o carnaval deste ano, Raphaela Caboclo e Alex Marcelino se apresentaram muito bem, demostrando muita sintonia.

A Bateria de mestre Casagrande foi mais um ponto alto do ensaio, cadenciada do início ao fim, dando suporte necessário ao samba e com convenções e paradinhas que valorizaram mais ainda o canto da Tijuca.

A Unidos da Tijuca fez um grande ensaio técnico e se mostrou totalmente preparada para o desfile em relação aos quesitos que competiam ser avaliados hoje. Certamente a escola aguçou mais ainda o público de Carnaval fazendo todos aguardarem com bastante expectativa o bom dia do pavão na manhã da Segunda-feira de Carnaval. 

Web Rádio Carnavalizando

Por: Léo Tenreiro

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!